Arquivo do mês: março 2010

TPM e um pouco de loucura no dia das mulheres

Hoje podemos!

Fosse desencadeada uma greve por todas as mulheres na atualidade que ganham menos que os homens para fazer a mesma coisa, o que será que os proprietários das empresas fariam, hein? Perigo de haver demissão em massa e contratação de estagiários em nossos lugares.

Não vou nem entrar nesse assunto porque hoje estou numa tpm tão grave que se alimentar minha alma com pensamentos anti-machistas sou capaz de cometer um crime. Ou vários.

Estou lendo um livro chamado Como tornar-se um doente mental, de J. L. Pio, Abreu. É um psiquiatra português. Muito interessante. Ele explica como a forma de vivermos e respirarmos (!) pode nos levar a desenvolver doenças mentais. Tem um tipo, o histriônico anti-social que é um personagem que encontramos de monte por aí.

Esse homem aí, do René Magritte, tabém aparece na capa do livro.

Aquelas pessoas mentirosas, que têm uma ética própria, enganam, não criam vínculos reais. Nossa, eu conheço vários. Aliás, conheço vários de todos os tipos, os psicóticos paranóides, os fóbicos sociais. Aliás, eu até me incluo em alguns grupos, tenho algumas características, o que é normal. Não que eu seja muito normal, obviamente não sou.

O fato é que eu estava lendo justamente sobre os psicopatas anti-sociais, que são aquelas pessoas que fazem coisas erradas e vão fazendo cada vez mais merda sem sentir remorso algum. O plano da merda seguinte é o que interessa. Essas pessoas podem se tornar muito ricas e poderosas porque não têm qualquer escrúpulo. São capazes de matar e não estão nem aí.

Acabou a fisioterapia, pausa no livro. Desço em plena Av. Andradas, numa segunda-feria agitada e abafada. Não está mais chovendo e eu com um guarda-chuva gigante na mãos, esbarrando nas pessoas. Aquele cheiro de pastel, cigarro, esgoto, gente… me senti o personagem do Estrangeiro de Camus que matou o argelino. Influenciada pelo livro, pelo calor e pela tpm ou não, me bateu uma vontade de sair dando guarda-chuvada nas pessoas. Mas aí eu pensei na Kathryn Bigelow e seus dois oscars, de melhor diretora e melhor filme e respirei mais feliz. Respirei, não suspirei.

A teoria do J. L. Pio Abreu sobre respiração

Segundo ele, as pessoas que tendem a suspirar, descontrolam o sistema respiratório e por vezes, quando ficam – quando ficamos vai, todo mundo passa por isso – nervosos e respiramos fundo para nos acalmar estamos na verdade gerando um hiperventilação nos pulmões, que mais atrapalha do que ajuda.

Ajudar, ajuda. A entrarmos em pânico, ficarmos dormentes, agirmos de forma irracional, enfim, essas sensações desagradáveis que por vezes nos deparamos. Para o autor, tomar remédios (exceto os que estimulam a serotonina) pode ser inútil se a pessoa continuar a respirar de forma equivocada e contraproducente. Acho que ele é contra a indústria farmacêutica, aliás, muita gente é.

Um lanche no meio da tarde

um ingreditente determinante

Cheguei do centro, onde estou fazendo fisioterapia, azul de fome. Hoje foi mais um daqueles dias que entramos – eu e Anita – uma na dieta da outra de sopas e não dá pra chamar de almoço o que aconteceu entre meio dia e uma hora nesta residência.

Como a Av. Getúlio Vargas estava sem luz em função de algo que aconteceu enquanto eu tomava meus choquinhos no calcanhar direito, pressenti que meu prédio (numa transversal) poderia estar as escuras e eu não estava a fim de subir 12 andares a pé, ainda mais na minha condição de manca.

Desci um ponto antes e passei num mercado desses de gringo com açougue, na R. Botafogo. Pra minha surpresa, lá tem até carré de cordeiro. Peguei algumas carnes e vim pra casa, sem ‘estragar meu apetite’ com um doritosinho, como me é de praxe.

Felizmente tinha luz aqui. Subi, juntei as coisas que tinham voado e sequei o closet que tava semi-alagado. E aí, sim, fui pra cozinha, merecendo um sanduíche digno.

Salguei e pimentei um bife de contra-filé e fritei com nada de azeite numa frigideira de teflon. Em quanto isso tostei fatias de pão integral. Pão, bife, queijo brie e uma salsinha por cima. Coisa mais gostosa do mundo. Tente fazer em casa, é uma delícia!

SAPATOS!

Ana Emília Cardoso

Quase morri de emoção ontem. Minha sogra estava em Novo Hamburgo e eu fui buscá-la à tarde. Aproveitamos para ver uns sapatos, nosso programa preferido disparado. Passamos pelo centro, a super barateira Kathy só tinha boas opções para a Anita, que ganhou algumas sapatilhas.

Quando chegamos no Outlet da Arezzo, ao lado do shopping, um momento mágico aconteceu. A loja estava cheia de sapatos maravilhosos, da coleção de verão, com toda a numeração. E os preços, que normalmente íam de 149,00 a 300,00 estavam todos a partir de 49,00 indo – raramente – a 79,00. Era o primeiro dia de promoção, a primeira hora na verdade, elas estão remarcando os sapatos em média 30,00 a menos do que já estava em liquidação.

A gente tava tão feliz que parecia um sonho, eram 19 hs, a loja fechava às 20 hs e nós erámos as únicas clientes. Todo sapato que provei, eu amei. Ela idem. A Anita ficava desfilando com meias-patas altíssimas. Foi fantástico, chegamos em casa com milhares de sacolas e dessa vez nem as escondemos porque tínhamos certeza de ter feito um ótimo negócio.

Fica a dica: Outlet da Arezzo, na Nações Unidas. Tem sandália alta, rasteira, sapatilhas, scarpins TUDO!!!!!!!!!!