Arquivo do mês: julho 2009

A gripe A – parte II

Ana E

Confesso que estou me sentindo a Julianne Moore, no filme Ensaio sobre a Cegueira. Ainda não peguei e acho que nem vou pegar a supracitada gripe.

Não levei a Anita na escola hoje para não passar por mãe irresponsável. Fomos dar umas bandas no centro, mercado público, etc. Estudar e trabalhar (e blogar) nem pensar.

O doente já está bem melhor, só descansa. Assintomático, mas se diz muito cansado. Fui meio sacana hoje, tomei uma cerveja com os sandubas de salsicha bock da Banca do Holandês (Mercado Público de POA) que fiz para o jantar.

Eu pensei_ ah, se eu pegar a gripe não vou poder beber nos próximos dias, so…

Aliás, quem me inspirou nisso foi ele mesmo, quando colocou no seu blog uma frase dizendo que quem não comeu a sobremesa no Titanic se arrependeu.

A gripe suína chegou à minha casa

Participe da promoção e concorra a brindes

Meu marido tá tomando tamiflu. Não sabemos ao certo se é ou não é a gripe A, mas os sintomas coincidem.

Fala-se em pânico mundial e o tempo todo amigos de outras cidades me perguntam como estão as coisas aqui em Porto Alegre.

Pelo que sei, em Curitiba nenhuma escola está funcionando, as igrejas, os shoppings e até mesmo os ônibus estão vazios. Fala-se em epidemia, números mascarados de mortes, médicos doentes e desvio de medicação (oseltamivir, o tamiflu).

Acho que a chuva e o frio têm colaborado com este pânico generalizado. Até imagino a situação. Coitada da minha mãe, no meio desse caos todo, ainda bateu o carro num doente.

Eu devo ter um pezinho na Argentina, pois não estou nem um pouco apavorada, mesmo com um possível infectado a menos de 10 metros de mim.

Ele já estava com febre há uns dois dias e ontem até matou faltou o trabalho de tarde. Mas, hoje, acordou realmente péssimo e acabamos indo para na emergência do Hospital Moinhos de Vento.

Nas entradas do hospital há placas orientando os doentes a não entrarem na instituição. O que soa estranho à primeira vista. Na emergência (que é do lado de fora), pessoas de máscara lotam as macas.

Mas, na boa, nada demais. O lance é tomar o Tamiflu por cinco dias. Li a bula em suas minúncias e constatei que basta começar a tomar e começar a melhorar; são apenas 10 comprimidos e em pouco tempo o doente já se sente melhor.

Meu desafio agora é não pegarmos a gripe, nem eu nem Anita. Allea jacta est.

PROMOÇÃO de criatividade

Ah, mas eu sou homem!

Por que você não suporta ouvir essa frase?

Responda e concorra a umas coisinhas bem fofas da marca Manoella.

O post mais espirituoso vai ganhar um belo kit. Bota a cachola pra funcionar! Até o dia 03 de agosto!

Logo

A Manoella é uma marca de acessórios e produtos de beleza lindos. Conheci quando trabalhei com a Márcia Fraga e a Letícia Algayer, do Portal Brasil China; ambas gente finíssima.

Bronzeamento artificial dá câncer

Ana Emília Cardoso

Tão óbvio, que não sei como demoraram tanto para tornar pública esta verdade. Espero que todos os salões acabem com as câmeras. Eu sempre escolhi salão assim, se tinha bronze eu nem entrava.

Golden shower

Ana Emília Cardoso

Essa noite provei o legítimo golden shower, sem a minha permissão é claro. Acordei toda molhada, com aquele líquido quente e fedido. Como diz o sábio ditado, quem dorme com criança, acorda molhado. Molhada, no meu caso.

O frio segue insuportável aqui no sul. Eu detesto dormir com criança na cama, mas – confesso minha fraqueza – tenho pena de deixá-la no frio, porque ela, invariavelmente, se descobre e acorda com frio, fica doente ou faz xixi e vai pra minha cama mesmo.

Mas o xixi na minha cama foi muito pior, porque molhou as minhas cobertas, o meu lençol, o meu pijama e tudo mais. Só não molhou o meu marido (sortudo) que pendia no seu lado da cama, que definitivamente não comporta três pessoas, mesmo que uma delas tangencie a marca de um metro.

Tive que ir dormir na sala, porque o quarto dela estava úmido ainda do xixi de ontem.

Mais um dia que começou com a máquina de lavar cheia e, meus ovários, para não dizer saco, idem.

Dias melhores virão verão.

Presentes

Por Ana Emília Cardoso

Convenhamos, é muito fácil dar um presente para uma mulher. Roupas, joias, flores e_ até – por que não – coisas para casa. Certo? Nem sempre. Eu adoro ganhar coisas para casa, claro que não é qualquer coisa, tem que ser algo que eu esteja namorando ou venha de fato a gostar. Logo, quem me for dar tem que ser meio adivinho (!).

Por exemplo, no dia dos namorados, ganhei uma cafeteira Bialetti. Mas, note, eu amo café e amo coisas de cozinha legais, com design bonito e tal. Agora, definitivamente isso não é universal. Várias mulheres odeiam ganhar coisas para casa.

E quando elas dizem: Não me vem com coisas pra casa, elas realmente querem dizer isso. Qualquer blusinha branca da Hering é melhor que um mini multi processador nesses casos.

Tem alguma dúvida? Olha só que demais esse vídeo. Melhor até que os nossos! hahaha

Todo marido é surdo?

Por Ana Emília e Daniela Entrudo

Está certo que eles têm mais no que pensar, como no quão sortudos são por conhecerem criaturas lindas, inteligentes e evoluídas como nós e terem o enorme privilégio de viver ao nosso lado, mas…

Marido não ouve a gente ou não presta atenção mesmo? Um dia falei pro André: hoje vou num show no Teatro do Sesi, tu tens que me levar e me buscar. Ele concordou na hora, eu até achei estranho, porque esse teatro é quase na Free Way, do outro lado da cidade e bem longe de onde a gente mora.

Quando ele foi me buscar estava com a cara mais amarrada possível e eu perguntei porque, aí ele falou: “Sim Daniela tu faz eu te levar lá na casa do caramba, do outro lado da cidade, etc”. Aí eu fui obrigada a dizer que ele não presta atenção no que eu falo, e nesse caso, não prestou atenção nem no que eu escrevi, pois combinamos tudo isso pelo MSN. Ele achou que era Teatro do Sesc, que fica no Centro da cidade. Bom, dois trabalhos ficar brabo e depois ficar feliz_ ainda duas vezes, pois me levou e depois me buscou.

Pior eu (Ana), TODO SANTO DIA, falo que gosto de patinar no gelo. Vivo a resmungar planos de ir a Gramado passar o dia só pra patinar, falo que a pista do Praia de Belas (fake) era uma porcaria e tal. Aí, quando comento – pela terceira vez – que vou com as colegas dele patinar no gelo amanhã, ele diz: ah, eu ganhei uns ingressos e botei fora.

Poxa vida, 20 pila pra cada um e ele joga fora porque ele não iria patinar. Tem coisas que nem Freud explica.